Vacina contra HPV é essencial para a saúde feminina

Vírus é um dos principais responsáveis pelo câncer de colo de útero, um dos tipos da doença mais comuns entre as mulheres.

Segundo dados do Ministério da Saúde, 80% das pessoas sexualmente ativas serão infectadas por um ou mais tipos de HPV ao longo da vida. O vírus está associado ao desenvolvimento do câncer de colo de útero, um dos tipos da doença mais comuns entre o público feminino. Ainda conforme o órgão, estima-se que mais de 17 mil novos diagnósticos foram registrados no país em 2023, representando um risco considerado de 13,25 casos a cada 100 mil mulheres.

Uma das formas mais indicadas para frear a transmissão do HPV e agir na prevenção de câncer no colo do útero é a vacinação. De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), a vacina consegue reduzir em até 80% as chances de retorno da infecção causada pelo vírus em pessoas que já foram atingidas pelo HPV. 

Outros dados, também divulgados pela Febrasgo, mostram que 99,6% das mulheres sexualmente ativas com até 45 anos podem se beneficiar da vacinação, já que muitas apresentam resultado negativo para o vírus ou são positivas para apenas um subtipo. 

A vacina contra o HPV é essencial para a saúde feminina. No entanto, ainda há mulheres que desconhecem a eficácia e a importância da imunização. Por esse motivo, é necessário realizar consultas periódicas com um especialista em ginecologia que possa dar as orientações corretas para a paciente.  

As autoridades de saúde também defendem a realização de campanhas que ajudem a disseminar a informação e contribuir para a conscientização do público feminino acerca dos cuidados para evitar o contágio do HPV

Vacinas estão disponíveis no Brasil

O HPV, sigla em inglês para Papilomavírus Humano, é o responsável pela infecção sexualmente transmissível mais frequente no mundo, segundo o Ministério da Saúde. O contágio ocorre, sobretudo, por meio da relação sexual, causando verrugas na região oral, genital, anal e na uretra, assim como cânceres. 

A vacinação contra o vírus é o principal meio para a prevenção de doenças e, até mesmo, óbitos. Segundo o Ministério da Saúde, o imunizante pode ser aplicado em homens e mulheres com idades entre 9 e 45 anos. Todas as vacinas contra o HPV estão disponíveis no Brasil, e não há registros de reações adversas graves relacionadas à vacinação em nenhuma faixa etária. 

Dados divulgados pelo Instituto Butantan de estudos conduzidos em 14 países, com 60 milhões de pessoas, mostram que com o uso da vacina houve uma queda de 83% dos caso de HPV responsáveis por episódios de câncer de colo de útero; de 67% no aparecimento de verrugas genitais; e de 51% no surgimento de lesões pré-cancerosas, em meninas de 15 a 19 anos.

Quem pode se imunizar? 

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a vacina contra o HPV pode ser aplicada a partir dos 9 anos, sendo recomendada para todas as pessoas até os 26 anos. Os países devem assegurar que todas as meninas com até 14 anos recebam o imunizante. 

A obrigatoriedade é defendida, pois a vacina tem se mostrado mais eficaz nessa faixa etária, quando as meninas ainda não são sexualmente ativas e, consequentemente, não tiveram contato com o vírus. 

O Ministério da Saúde anunciou que a vacina contra o HPV passará a ser oferecida em dose única para as crianças e adolescentes de 9 a 14 anos. Antes a vacinação podia ser feita em duas doses, mas a mudança veio após as recomendações da OMS, que mostrou evidências de que a dose única, em ambientes de alta cobertura vacinal, proporciona os mesmos níveis de proteção conferidos por duas ou três doses. 

A dupla dosagem do imunizante continua sendo oferecida para pessoas vítimas de violência sexual, com idades entre 9 e 14 anos, enquanto a tripla dosagem é destinada para aquelas entre 15 e 45 nos. 

Além disso, as pessoas que convivem com HIV/Aids, são pacientes oncológicos em quimioterapia e/ou radioterapia ou que passaram por cirurgias importantes, como transplantes de órgãos sólidos e medula óssea, devem receber três doses da vacina, independente da idade. 

Pessoas adultas de 27 anos ou mais que não estão nestas condições também podem se vacinar, mas antes devem se consultar com um profissional da área da saúde e seguir as orientações fornecidas por ele. 

Onde se vacinar? 

A vacina contra o HPV está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS). Ela protege contra quatro subtipos do vírus. A vacinação oferecida na rede pública é eficaz ao HPV de baixo risco 6 e11, responsáveis pelo surgimento de verrugas anogenitais, e pelo de alto risco 16 e 18, que causam câncer de colo de útero, de pênis, anal e oral. 

Na rede particular, é possível encontrar outros tipos de imunizantes contra o HPV. A vacina nonavalente, chamada Gardasil 9, é oferecida em alguns hospitais e clínicas médicas com valor que pode variar de R$ 840 a R$ 910 por dose.